Inimigos contra a prosperidade: Resenha do livro ‘Why you Win or Lose’

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Introdução

Fred C. Kelly não foi um analista de ações, gestor de fundo ou algum outro profissional de Wall Street. Ele foi um psicológico, escritor e estudante do comportamento humano, mas observou atentamente a atitude da multidão e as condutas seguidas no mercado de ações.

No livro “Why you Win or Lose: the Psychology of Speculation”, o autor afirma que o mercado de ações é o maior laboratório humano do planeta. E neste laboratório atuam 3 grandes inimigos contra a prosperidade: a vaidade, ganância e a vontade de acreditar.

Vaidade

A vaidade é a responsável por gerar pequenos lucros e grandes prejuízos. Assumir uma pequena perda parece sensato, mas ofende o nosso orgulho. Admitir que você errou e arcar com um prejuízo é uma confissão que o seu julgamento inicial foi equivocado. Não é difícil constatar esta dor… ou você nunca ouviu (ou mesmo já disse) “assim que eu zerar minhas perdas vou vender todas essas ações”?

Daniel Kahneman e Amos Tversky desenvolveram a Teoria da Perspectiva, através da qual, propuseram que uma perda tem um impacto emocional maior sobre qualquer pessoa do que o ganho equivalente. Então, provavelmente uma pessoa tentará evitar uma perda mais do que tentar obter um ganho. Na bolsa de valores esse é o viés mais fácil de se identificar: os investidores vendem suas boas ações, que se mostraram um bom investimento e costumam manter (ou casar, como dizem no mercado) as ações ruins. Desta forma, o investidor se torna um eterno arrependido: se caiu, ele pensa que deveria ter vendido; se subiu, a convicção é que deveria ter comprado mais.

Ganância

A ganância é o motivo por trás da tentativa de encontrar topos e fundos no mercado. É o sentimento que impede a venda de uma ação com bons resultados por querer “um pouco mais”. Ela sugere que toda leve correção é uma ‘oportunidade de compra’. É o combustível que leva os investidores a comprarem na alta e venderem na baixa.

O autor traz o diálogo dele com dois amigos e descreve muito bem a ganância:

“Suponho que o mercado de ações seja assim: Aqui tenho um prato de sorvete que me custou 10 centavos. Robert, o garçom, entra e diz que o sorvete acabou e não há mais para comer esta noite. Meu sorvete de repente parece mais valioso para você e você me oferece 12 centavos por ele. Então Bill, que pretendia pedir sorvete, faz uma oferta de 13 centavos. Você sendo escocês, não resiste ao lucro. Bill se vangloria tanto da crosta de gelo que decidi que fui um tolo em deixa-lo ir em primeiro lugar e o comprei de volta por 14 centavos. Nessa altura, descubro, para meu desânimo, que o sorvete derreteu.”

Vontade de Acreditar

Após um diagnóstico de uma doença incurável é comum o paciente correr em busca da opinião de outro médico; depois outro, e outro…buscando alguém que possa curá-lo.

No mercado de ações, há investidores que se tornaram torcedores e Fred Kelly diz que o homem que se sente muito seguro provavelmente é uma vítima da vontade de acreditar. Nas palavras do economista Richard Rytenband “Ou você opera o mercado ou o mercado opera você”

Qual o segredo?

O mercado de ações não é um lugar para pessoas com convicções fortes e que não mudam de ideia. Quem busca sucesso fáci, não está disposto a trabalhar e se esforçar para encontrar os bons investimentos deveria permanecer longe dele. E o mais perigoso que pode acontecer é a sorte de iniciante, com lucros rápidos que confirmam nossos vieses e desejos de resultados fáceis.

Se o comportamento natural da multidão é enviesado e atraído a decisões erradas, a melhor postura para o investidor é ser contrário e seguir o caminho oposto da maioria.

Não pense que seguir o conselho de qualquer profissional de mercado é suficiente. O autor conta o relato de um estatístico que se inscreveu no mailing de recomendação de 15 brokers de diferentes companhias. Após anos recebendo e guardando cuidadosamente cada recomendação, ele desenvolveu um modelo de score de 3 a -3 para ordenar os dias de recomendação de compra ou venda, sendo 3 dia de sugestão de “compra firme” e -3 dia de “venda firme”. O pesquisador calculou a média semanal das recomendações e comparou as sugestões com os movimentos do mercado.

Os resultados foram surpreendentes: 9 em cada 10 períodos em que a média semanal esteve acima de 1,5 – portanto, uma recomendação firme de compra – o mercado enfrentou quedas e aquelas recomendações marcaram uma excelente oportunidade de venda. No entanto, foi quando as médias estiveram abaixo de -1,5 – neste caso, recomendação de venda – que o mercado sinalizou fundo e apresentou alta dos preços posteriormente.

Atualmente, não há necessidade de coletar dados como esse experimento no passado, mas diversos indicadores de sentimento podem ser usados como indicadores contrários, tais quais: Put Call Ratio; Fear & Greedy index; Contratos em Aberto; Percentual do portfólio em ações etc.

Para finalizar, nas palavras do autor:

“Gradualmente aprendemos alguns dos truques que são usados ​​para nos enganar. Mas, a menos que observemos nossos passos com cuidado, não aprenderemos logo – não até que nosso dinheiro acabe. O jogo é antigo – mas os jogadores são sempre novos.”

Receba nossa

Newsletter

Novidades e informações importantes sobre a Convex

Relacionados

Preserve o Seu Patrimônio

Seja um Assinante Convex

Entre em contato para saber mais sobre nossas soluções e ferramentas para que você se torne um investidor global.