“Vivi situações que pareciam intransponíveis – e isso me fez mais forte”; histórias inspiradoras de mulheres das finanças

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

No começo da década de 1980, apenas 26% das mulheres brasileiras tinham uma profissão remunerada. A maioria se ocupava de afazeres domésticos – como cuidar dos filhos e da casa -enquanto os maridos saíam cedo para trabalhar.

Nesta mesma década – mais precisamente em 1987 – a carioca Leda Braga, então com 20 anos, embarcava para Londres para cursar engenharia mecânica na tradicional Imperial College, onde ela também fez seu doutorado.

Depois de se formar, Leda lecionou nesta mesma universidade por alguns anos, antes de começar a trabalhar como analista na área quantitativa do JPMorgan.

Hoje, Leda Braga é CEO da Systematica Investment, gestora de recursos quantitativa que ela fundou em 2015. Com sede em Jersey, no Reino Unido, a Systematica possui escritórios em Genebra, Londres, Nova York, Cingapura e Xangai e conta com mais de US$ 11 bilhões sob administração.

Na década de 1970 a proporção de mulheres no mercado de trabalho era ainda menor. Mas isso não impediu que a jovem Cathie Wood, na época com 22 anos, conseguisse um emprego como economista-assistente no Capital Group, onde trabalhou por três anos.

Em 1980, Cathie se mudou para Nova York para trabalhar na Jennison Associates como economista-chefe. Ela permaneceu na empresa por 18 anos, ocupando diversos cargos, como gerente de portfólio e diretora administrativa.

Em 2014,  Cathie fundou a Ark Invest, uma gestora de recursos conhecida por apostar em negócios inovadores e disruptivos que tem mais de US$ 10 bilhões sob administração atualmente.

“Nós queremos encontrar a próxima grande novidade. Aqueles que seguem os benchmarks e que olham para trás estão preocupados com o que funcionou. Nós queremos saber o que vai funcionar”, diz Cathie, em sua apresentação no site oficial da Ark.

Mulheres como Leda Braga e Cathie Wood servem como inspiração e mostram que, mesmo contra as estatísticas, é possível construir um legado memorável em qualquer área de atuação.

“É muito importante se inspirar na história de outras mulheres e tê-las como exemplo”, disse Thata Saeter, COO da Convex Research,  em live realizada na última segunda-feira, 8 de março, data em que se comemora o Dia Internacional da Mulher.

Durante a live, transmitida no perfil de Giovana Simão, do Bit Das Minas, Thata lembrou que as dificuldades e desafios que enfrentou ao longo da sua trajetória contribuíram para que ela buscasse se aprimorar e melhorar seu conhecimento.

“Eu fui jogada em muitas situações que pareciam intransponíveis. E isso me fez ficar cada vez mais forte”, afirmou a COO da Convex.

Ela relembrou um pouco da sua trajetória profissional – que começou na área de comunicação – e como passou a se interessar pelo ecossistema das criptomoedas, em 2014. 

O bitcoin ainda era muito pouco conhecido, mas o engajamento de Thata com a defesa das liberdades individuais a fez ter vontade de estudar e aprender mais sobre esse universo.

O que começou como interesse pessoal acabou se transformando em uma jornada profissional. À medida que ia acumulando conhecimento sobre as criptomoedas, ela percebia que havia muita desinformação nesta área.

 Em 2018, Thata decidiu começar a compartilhar o que já sabia para ajudar no desenvolvimento desse mercado.  “Eu me senti desafiada a desmistificar as criptomoedas. O pessoal do mercado financeiro tradicional tinha preconceito com estes ativos. Achavam que não tinha valor algum e que não fazia sentido. Então foi realmente um desafio para mim”, afirma.

De lá para cá, Thata se tornou uma das principais referências do universo das criptomoedas no Brasil. Neste ano, ela concorre ao Cripto Awards na categoria “Melhor Influencer Feminino”, que terá premiação no próximo dia 26 de março.

Mesmo se consolidando como uma importante influenciadora de criptomoedas, Thata faz questão de deixar claro que ainda há muito trabalho pela frente. 

“Já são alguns anos de mercado financeiro, mas acredito que ainda estou no início desta jornada”, destaca a COO da Convex. 

Receba nossa

Newsletter

Novidades e informações importantes sobre a Convex

Relacionados

empreender na crise
Empreendedorismo

4 razões para empreender na crise

Os momentos de maior incerteza política e econômica costumam assustar as pessoas, que muitas vezes preferem adiar planos profissionais e evitar entrar em novos projetos

Preserve o Seu Patrimônio

Seja um Assinante Convex

Entre em contato para saber mais sobre nossas soluções e ferramentas para que você se torne um investidor global.