insights

Confiança da indústria, comércio e consumo desabaram; o que isso significa?

29.Março.2021

Os índices de confiança do comércio, da indústria e dos consumidores despencaram em março, de acordo com diversas pesquisas divulgadas recentemente. Mas o que todas estas quedas significam?

Os índices de confiança mostram o sentimento de diversos setores em relação à economia e são utilizados como instrumentos de antecipação de tendências. Se a confiança do consumidor está muito baixa, pode-se esperar que nos próximos meses as vendas no varejo sejam menores. Afinal, as pessoas estão preocupadas e pouco confiantes em consumir, preferindo guardar dinheiro para se prepararem para possíveis dificuldades no futuro.

Nos três casos – comércio, indústria e consumidor –, as quedas da confiança refletem o momento atual em que vivemos, com muitas incertezas econômicas principalmente por conta do agravamento da pandemia de Covid-19 no país.

Em março, o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) do FGV IBRE caiu 9,8 pontos em março, para 68,2 pontos, o menor valor desde maio de 2020 (62,1).

A forte queda é resultado do recrudescimento da pandemia de covid-19 em todo o país e do colapso do sistema de saúde em várias cidades. A campanha de imunização do Covid-19 no país segue lenta, enquanto  o número de hospitalizações e mortes por dia avança rapidamente, levando estados e municípios a adotar medidas de restrição à circulação de pessoas. Os consumidores percebem a piora da situação econômica atual com sérios riscos ao emprego e à renda  e são também afetados psicologicamente pelo medo de contrair a doença e pela necessidade de isolamento social.”, afirma Viviane Seda Bittencourt, Coordenadora das Sondagens da FGV (Fundação Getulio Vargas).

A FGV também mede o índice de confiança do comércio, que desabou 18,5 pontos em março, ao passar de 91,0 para 72,5 pontos. Este também foi o menor valor desde maio do ano passado, quando marcou 67,4 pontos. 

De acordo com os pesquisadores, o resultado fortemente negativo do mês foi influenciado tanto pela queda no volume corrente de vendas, quanto pela piora das expectativas em relação ao futuro.

“Os próximos meses serão desafiadores e o retorno a uma rota de recuperação dependerá da melhora efetiva dos números da pandemia “, avaliou Rodolpho Tobler, Coordenador da Sondagem do Comércio do FGV IBRE. 

Na mesma linha dos outros indicadores, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) recuou fortemente em março, de acordo com dados da CNI (Confederação Nacional da Indústria). O índice registrou queda de 5,1 pontos na comparação com fevereiro. É a terceira maior queda mensal da série e a terceira queda mensal consecutiva do ICEI.

 Considerando apenas o estado de São Paulo, o Índice de Confiança do Empresário Industrial paulista (ICEI-SP) ficou em 48,0 pontos, forte queda de 6,7 pontos em relação ao último número divulgado, segundo dados da Fiesp.

 “Após sete meses consecutivos no campo positivo o ICEI-SP apresenta resultados menos favoráveis em março, indicando pessimismo dos empresários paulistas. Entre seus componentes, houve piora tanto no índice de Condições Atuais (de 49,8 para 45,3 pontos) como no indicador de Expectativas (57,0 pontos para 49,4 pontos)”, destacou a Fiesp.

 Com base nestas informações sobre a confiança dos principais setores da economia, é possível perceber que existe uma tendência de retração nestes setores, que poderão receber menos investimentos nos próximos meses.

 Por isso, é fundamental ficar atento a todos os sinais e manter uma postura financeira adequada, com uma carteira de investimentos que proteja seu patrimônio dos solavancos e da volatilidade atual.

 Ao manter suas aplicações de forma convexa, você estará limitando as chances de perdas e tornando a possibilidade de ganhos muito mais provável, tornando- se um investidor por toda a vida e aproveitando as oportunidades que surgirem pelo caminho.

 

Banner Insights

Convex

Receba nossa Newsletter

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência.
Ver Política de Privacidade