insights

O Homem Que Decifrou O Mercado: Como Jim Simons criou a Revolução Quant

11.Março.2021

Um matemático genial que já viajou de motocicleta de Boston a Bogotá, foi expulso da NSA (Agência de Segurança Nacional  dos EUA) por opor-se à guerra do Vietnã, e que criou o fundo quantitativo mais rentável e consistente do mundo. Esse é Jim Simons, retratado no livro O Homem Que Decifrou O Mercado: Como Jim Simons criou a Revolução Quant, de Gregory Zuckerman.

Lançada no final de 2019, a obra conta como Simons se tornou um dos maiores e mais respeitados investidores do mundo. Para refazer seus passos e entender como o megainvestidor construiu sua carreira, o autor fez mais de 400 entrevistas com 30 funcionários e ex-funcionários da Renaissance Technologies, gestora especializada em fundos quantitativos criada por Simons no final dos anos 1980.

Nascido no ano de 1938, em uma pequena cidade no estado de Massachusetts, ele formou-se em matemática pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology). Depois que deixou de colaborar com a NSA, ele voltou a se dedicar exclusivamente às suas pesquisas matemáticas, lecionando no próprio MIT e em Harvard.

Durante quase 30 anos, Simons trabalhou na área de geometria e topologia das variedades, desenvolvendo uma série de teorias e ajudando empresas com seus modelos matemáticos.

Seu enorme conhecimento de modelagem financeira o levou para Wall Street. Em 1988, aos 50 anos, Simons fundou a Renaissance Technologies.  Desde 1988, o fundo Medallion, criado por ele, tem um retorno anualizado médio de nada menos do que 39% já líquido de taxas de administração e de performance, o que o coloca entre os fundos de investimentos mais rentáveis do mundo.

“Ex-professor de matemática, Simon é, sem sombra de dúvida, o trader mais bem-sucedido da história das finanças modernas. Desde 1988, o Medallion acumula lucros de operações de mais de US$ 100 bilhões. Ninguém chegou nem perto disso no mundo dos investimentos. Warren Buffett, George Soros, Peter Lynch, Steve Cohen e Ray Dalio ficam para trás”. (O Homem Que Decifrou O Mercado: Como Jim Simons criou a Revolução Quant. Gregory Zuckerman).

Um dos segredos para conseguir resultados tão acima da média é a maneira como Simons decidiu montar sua equipe. Em vez de contratar operadores e analistas do mercado financeiro, ele foi atrás de cientistas que, assim como ele, tinham muita facilidade com modelagem matemática.

Com o passar do tempo e com mais acesso a dados por conta do avanço tecnológico, os modelos utilizados pelo Medallion foram se tornando cada vez mais sofisticados e os retornos do fundo foram exponenciais.

Eles coletaram uma quantidade enorme de informações históricas, não apenas sobre ações e títulos de renda fixa, mas também sobre moedas, commodities, padrões climáticos e todos os tipos de eventos que movem o mercado. Com o tempo, a equipe de Simons reuniu tantos dados que os computadores encontraram correlações lucrativas que nenhum ser humano poderia descobrir, muito menos entender.

“Simons vinha de um mundo diferente e tinha uma perspectiva única. Estava acostumado a examinar grandes conjuntos de dados e encontrar ordem enquanto os outros viam apenas aleatoriedade. Os cientistas e matemáticos são treinados para ir mais a fundo do mundo natural e caótico, em busca de simplicidade, estrutura e até belezas consideradas inesperadas.

Ele chegou à conclusão de que o mercado nem sempre reage de maneira explicável ou racional a notícias ou outros eventos (...) ainda assim, os preços financeiros pareciam, sim, apresentar ao menos alguns padrões definidos, por mais caótico que o mercado estivesse. “Parece que há uma estrutura aqui”, pensou ele. Ele só tinha que encontrá-la.

Decidiu, então, tratar o mercado financeiro como qualquer outro sistema caótico. Assim como os físicos examinam vastas quantidades de dados e constroem modelos elegantes para identificar as leis da natureza, Simons construía modelos matemáticos para identificar a ordem no mercado financeiro”. (trecho do livro)

O livro destaca que a Renaissance tem atingido US$ 7 bilhões anualmente em ganhos com operações. Isso equivale a mais que a receita anual de marcas conhecidas como Under Armour, Levi Strauss, Hasbro e Hyatt. 

Hoje, aos 82 anos, Simons é membro do conselho da Renaissance Technologies e figura na 23 posição da lista de bilionários da Forbes, com uma fortuna estimada em US$ 23,5 bilhões.

Ele também se dedica à filantropia e já doou mais de US$ 2,7 bilhões para causas filantrópicas. Em 2004, criou a Math for America, uma organização sem fins lucrativos que visa melhorar o ensino da matemática nas escolas públicas dos Estados Unidos

“O sucesso de Simons e sua equipe trazem inúmeras perguntas desafiadoras. O que isso quer dizer sobre o mercado financeiro, já que matemáticos e cientistas são melhores para prever a direção a seguir do que investidores veteranos? Teriam Simons e seus colegas uma compreensão primordial de como investir que não conseguimos captar? Será que as conquistas de Simons comprovam que a intuição e o julgamento humanos são inerentemente falhos e que apenas modelos e sistemas automatizados conseguem lidar com o dilúvio de dados que parecem nos afogar?” (trecho do livro)

O autor procura responder todos esses questionamentos nas 342 páginas do livro sobre a história fantástica deste matemático e investidor. Vale a leitura.

 
Banner Insights

Convex

Receba nossa Newsletter

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência.
Ver Política de Privacidade