insights

Quase metade da riqueza do Brasil está nas mãos de 1% da população

04.Agosto.2021

A desigualdade social vem crescendo cada vez mais nos últimos anos em todo o mundo, mas a aceleração tem sido ainda mais forte no Brasil.

 De acordo com um relatório recente divulgado pelo banco Credit Suisse, em 2020, 1% da população mais rica do Brasil detinha o equivalente a 49,6% de toda a riqueza nacional.

Este é o pior nível de concentração de renda desde o ano 2000 no país, quando 44,2% de toda riqueza da nação estava nas mãos de 1% mais rico da população. O número diminuiu até 2010, quando chegou a 40,5%. De lá para cá, no entanto, a concentração de renda só aumentou até atingir a marca atual.

A pandemia de Covid-19, que começou nos primeiros meses do ano passado, contribuiu para o cenário que vivemos atualmente. Com a crise econômica que rapidamente se instaurou por conta da necessidade de isolamento, o governo adotou uma série de medidas de estímulos monetários, injetando liquidez na economia.

No entanto, esse tipo de atitude tem uma consequência nefasta no médio e longo prazo, provocando uma inflação de preços cada vez mais acentuada e aumentando o nível de desigualdade social.

Conceito de inflação

Para você entender como a inflação é provocada, é interessante conhecer o conceito por trás dela.

A inflação de preços é um fenômeno monetário, ou seja, ela acontece quando a oferta de moeda na economia aumenta sem que a quantidade de produtos e serviços cresça na mesma proporção.

Foi exatamente o que aconteceu com a pandemia de covid-19, quando os governos do mundo todo, incluindo o Brasil, injetaram muito dinheiro nas economias para tentar conter a crise provocada pelo avanço do vírus.

O problema é que a capacidade de produzir bens e serviços dos países permaneceu a mesma e até diminuiu, enquanto a quantidade de dinheiro em circulação aumentou consideravelmente. Essa distorção que ocasiona a inflação de preços.

Em uma palestra realizada no final da década de 1970 na Universidade de San Diego, o economista Milton Friedman (1912-2006), vencedor do Prêmio Nobel de Economia e considerado uma das maiores autoridades de todos os tempos no assunto, mostrou a relação entre a emissão de moeda e o aumento da pressão inflacionária.

 Ele mostrou uma série de gráficos que relacionam a quantidade de moeda por unidade de produção com a inflação do país. Nos EUA, entre 1964 e 1976, as duas linhas no gráfico se movem praticamente juntas, sendo difícil distinguir uma da outra (como mostra a imagem abaixo).  “Esta é uma série de 13 anos, mas se fosse um período de 100 anos a relação seria a mesma”, explicou.

“Eu quero deixar claro de uma vez por todas o fato de que a inflação é um fenômeno monetário. Essa proposição já foi documentada muitas vezes. Nunca na história houve uma inflação que não tenha sido acompanhada por um aumento extremamente rápido na quantidade de moeda e vou mostrar dados que comprovam isso”, disse  Friedman  durante o evento.

Richard Rytenband, economista e CEO da Convex Research, destaca esse tipo de arranjo não é sustentável e provoca uma série de problemas sócio-econômicos como os que estamos vivendo, causando inclusive agitações sociais. “No final, todos perdem com esse tipo de situação”, critica. 

Banner Insights

Convex

Receba nossa Newsletter

Este site usa cookies para garantir que você obtenha a melhor experiência.
Ver Política de Privacidade