Confiança segue em baixa no início de 2022, mostra FGV

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Os índices de confiança calculados pela FGV (Fundação Getulio Vargas) iniciaram o ano em queda, mostrando que vários setores da economia ainda enfrentam dificuldades e tanto empresários quanto consumidores possuem certo grau de ceticismo.

“O resultado sugere desaceleração da atividade econômica sob influência da chegada de uma nova onda de Covid-19, com a variante Ômicron, com impacto especial nos setores de serviços presenciais, que antes disso sustentavam saudável recuperação’, afirmam os economistas Aloisio Campelo, Rodolpho Tobler e Viviane Seda Bittencourt, que assinam o Boletim Macro mais recente divulgado pela entidade.

De acordo com a FGV, em fevereiro, houve continuidade da tendência de queda da confiança empresarial e alguma recuperação da confiança do consumidor. O ICE (Índice de Confiança Empresarial) preliminar caiu 1,8 ponto e o ICC (Índice de Confiança do Consumidor) subiu 3 pontos.

Apesar da sinalização positiva para consumidores em fevereiro, o índice de confiança ainda gira em um patamar extremamente baixo.

Segundo a FGV, a cautela com relação a essa possível recuperação do consumidor se justifica por diversos fatores.

“Primeiro, como falado anteriormente, pelo patamar. Mesmo com a alta na prévia, o ICC ainda se encontra mais de 10 pontos abaixo do nível anterior à pandemia. Outro ponto importante é o contexto macroeconômico deste primeiro semestre, com inflação e desemprego elevados, juros e endividamento das famílias em alta e renda em queda”, afirmaram os economistas.

Já a confiança do setor de serviços, que havia demorado mais a reagir após a chegada da pandemia, também passou a registrar quedas – o que que pode ser exemplificado por medidas como o adiamento do carnaval em muitas cidades e pelo retorno de medidas restritivas em algumas delas.

“É relevante notar que a confiança do setor de serviços vinha se recuperando bem mais rapidamente desde o segundo trimestre do ano passado, sustentada pela retomada dos segmentos que demandam mais a presença física dos consumidores, como bares, restaurantes, e atividades turísticas”, pontua a FGV.

A conclusão da equipe de economistas é que os primeiros resultados de 2022 retratam um cenário delicado nos índices de confiança.

“As empresas mantêm o quadro de desaceleração e os consumidores ensaiam uma reação, mas ainda muito tímida perto do que seria necessário para se considerar uma retomada. É difícil imaginar que no curto prazo ocorra um retorno aos níveis de confiança médios observados após a segunda onda de covid-19, no ano passado, porque o cenário macroeconômico ainda se mostra desfavorável”, alertam.

Está preocupado com a economia e não sabe como cuidar dos seus investimentos?

A Convex abriu as suas assinaturas anuais para novos membros. Garanta sua vaga: https://convexresearch.com.br/links/

Receba nossa

Newsletter

Novidades e informações importantes sobre a Convex

Relacionados

Preserve o Seu Patrimônio

Seja um Assinante Convex

Entre em contato para saber mais sobre nossas soluções e ferramentas para que você se torne um investidor global.